terça-feira, 9 de maio de 2017

Frente Parlamentar em Defesa do Trânsito Seguro apoia projeto Universidades para redução de acidentes


Com o apoio da Frente Parlamentar em Defesa do Trânsito Seguro, presidida pela deputada estadual Liziane Bayer (PSB), vice-presidente da Assembleia Legislativa, ocorre nesta quinta-feira (11), às 9h, o lançamento do Projeto Universidades, no auditório da Empresa Pública de Transportes e Circulação de Porto Alegre (EPTC), parceira do Conselho Estadual de Trânsito (CETRAN/RS) na proposta. 
Na programação será apresentado o cronograma de trabalho e ações que serão realizadas em todas as universidades comunitárias do Rio Grande do Sul, alvo do projeto.
O Projeto Universidades (que mira um público jovem para estancar o alto índice de mortes no trânsito na faixa etária de 18 a 24 anos) tem por finalidade qualificar a mobilidade urbana no Estado a partir da educação no trânsito e conscientizar para um trânsito mais qualificado e seguro nas cidades.
Em tempo, essa conscientização já iniciou no interior do Estado, em março, pela Unicruz e Unijuí, ocasião em que a deputada Liziane Bayer e Luiz Noé, presidente do Cetran/RS, realizaram atividades temáticas com o envolvimento das direções das instituições e acadêmicos de Cruz Alta e Ijuí.
Plano Nacional de Redução de Mortes e Lesões no Trânsito
Recentemente, no dia 03 de maio, a Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) do Senado, aprovou o projeto de lei 47/2016 que cria o Plano Nacional de Redução de Mortes e Lesões no Trânsito (Pnatrans), “vindo somar e agregar nacionalmente no esforço das instituições que têm lutado para a redução da violência no trânsito”, destacou a presidente da Frente Parlamentar, sobre o projeto de autoria do ex-deputado e vice-presidente nacional do PSB, Beto Albuquerque e do deputado federal, Paulo Foleto (ES).

O projeto objetiva orientar ações e programas para diminuição dos índices negativos no trânsito em todo o país e submeterá os estados a metas anuais com o propósito de reduzir as mortes por veículos em pelo menos 50% em dez anos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário